Globo de Ouro 2020: Com ‘1917’, Sam Mendes surpreende e é o grande vencedor em noite de constrangimento

O Globo de Ouro 2020 começou com zebras e terminou em uma grande surpresa: a consagração de “1917”. Filmado de forma a parecer um único plano-sequência, a produção de Sam Mendes sobre a saga de soldados britânicos na Primeira Guerra Mundial impressionou e levou para casa os prêmios de melhor filme de drama e de melhor direção, desbancando sérios candidatos como “O irlandês”, “Coringa” e “Dois papas”.

Realizada pela Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, a cerimônia do Globo de Ouro, que contempla o cinema e a TV, é o primeiro grande evento da temporada de premiações.Logo no começo da noite, os primeiros dois prêmios saíram para nomes que não constavam entre as grandes apostas:

Rami Yousef venceu o prêmio de melhor ator em série de comédia por “Rami”, e Russell Crowe de melhor ator em minissérie por “The Loudest Voice”.

A hora dos favoritos

Em seguida, no entanto, grandes favoritos tiveram vez, como Phoebe Waller-Bridge, vencedora do prêmio de melhor atriz em série de comédia por “Fleabag”, e “Parasita”, que levou o prêmio de melhor filme estrangeiro.

“Quando vocês superarem a barreira das legendas, com certeza vão conhecer muitos outros filmes incríveis”, alfinetou o diretor sul-coreano Bong Joon-ho ao receber o prêmio, em alusão à famosa resistência dos americanos a filmes em língua não inglesa.

‘Torta de climão’

O começo da 77ª edição do Globo de Ouro também foi marcado pelo desconforto na plateia. Isso graças à apresentação do comediante Ricky Gervais. Conhecido por seu humor ácido, o britânico causou o já esperado constrangimento nos convidados da noite logo nos primeiros minutos com suas piadas.

“Vocês ficarão felizes em saber que esta será a última vez que eu estou apresentando este prêmio”, aviou Gervais, para em seguida comparar o ator Joe Pesci a Baby Yoda e afirmar que “Dois papas” é um filme sobre pedófilos — algo que não parece ter agradado em nada Jonathan Pryce, que interpreta o Papa Francisco na produção, dirigida pelo brasileiro Fernando Meirelles.

Tom Hanks emociona em homenagem

Um dos artistas mais admirados em Hollywood, Tom Hanks, o “cara comum”, como disse a atriz Charlize Theron, recebeu o prêmio Cecil B. DeMille (1881-1959), que é dado anualmente a artistas e outros profissionais que tenham contribuído de forma significativa com a indústria audiovisual. Foi um refresco para a plateia, que reviu, emocionada, cenas de filmes estrelados por Hanks. Aos 63 anos, o ator, produtor e diretor já ganhou dois Oscars por sua atuação, em “Filadélfia”(1993) e “Forrest Gump” (1994), e quatro Globos de Ouro, pelos mesmos dois filmes e por “Náufrago”(2000) e “Quero ser grande” (1988).

CINEMA

Melhor filme de drama

1917

“O irlandês”

“Coringa”

“História de um casamento”

“Dois papas”

Melhor atriz de drama

Cynthia Erivo, “Harriet”

Scarlett Johansson, “História de um casamento”

Saoirse Ronan, “Adoráveis mulheres”

Charlize Theron, “O escândalo”

Renee Zellweger, “Judy”

Melhor ator de drama

Christian Bale, “Ford vs Ferrari”

Antonio Banderas, “Dor e glória”

Adam Driver, “História de um casamento”

Joaquin Phoenix, “Coringa”

Jonathan Pryce, “Dois papas”

Melhor filme de comédia ou musical

“Meu nome é Dolemite”

“Jojo Rabbit”

“Entre facas e segredos”

“Era uma vez em… Hollywood”

“Rocketman”

Melhor atriz de comédia ou musical

Awkwafina, “A despedida”

Ana de Armas, “Entre facas e segredos”

Beanie Feldstein, “Fora de série”

Emma Thompson, “Late Night”

Cate Blanchett, “Cadê você, Bernadette?”

Melhor ator de comédia ou musical

Daniel Craig (“Entre facas e segredos”)

Roman Griffin Davis (“Jojo Rabbit”)

Leonardo DiCaprio (“Era uma vez em… Hollywood”)

Taron Egerton (“Rocketman”)

Eddie Murphy (“Meu nome é Dolemite”)

Melhor direção

Bong Joon Ho, “Parasita”

Sam Mendes, “1917”

Quentin Tarantino, “Era uma vez em… Hollywood”

Martin Scorsese, “O irlandês”

Todd Phillips, “Coringa”

Melhor atriz coadjuvante

Annette Benning, “O relatório”

Margot Robbie, “O escândalo”

Jennifer Lopez, “As golpistas”

Kathy Bates, “O caso Richard Jewell”

Laura Dern, “História de um casamento”

Melhor ator coadjuvante

Tom Hanks, “Um lindo dia na vizinhança”

Al Pacino, “O irlandês”

Joe Pesci, “O irlandês”

Brad Pitt, “Era uma vez em… Hollywood”

Anthony Hopkins, “Dois papas”

Melhor filme estrangeiro

“The Farewell” (China)

“Les Misérables” (França)

“Dor e glória” (Espanha)

“Parasita” (Coreia do Sul)

“Portrait of a Lady on Fire” (França)

Melhor roteiro

“História de um casamento”

“Parasita”

“Dois papas”

“Era uma vez em… Hollywood”

“O irlandês”

Melhor trilha sonora

“Brooklyn — Sem pai nem mãe”

“Adoráveis mulheres”

“Coringa”

“1917”

“História de um casamento”

Melhor canção

“Beautiful Ghosts” – “Cats”

“I’m Gonna Love Me Again” – “Rocketman”

“Into the Unknown” – “Frozen 2”

“Spirit” – “O rei leão”

“Stand Up” – “Harriet”

Melhor animação

“Frozen 2”

“O rei leão”

“Link perdido”

“Toy Story 4”

“Como treinar o seu dragão 3”

TELEVISÃO

Melhor série de drama

“Big Little Lies”

“The Crown”

“Killing Eve”

“Morning Show”

“Succession”

Melhor atriz em série de drama

Jennifer Aniston, “The Morning Show”

Jodi Comer, “Killing Eve”

Nicole Kidman, “Big Little Lies”

Reese Witherspoon, “The Morning Show”

Olivia Colman, “The Crown”

Melhor ator em série de drama

Brian Cox, “Succession”

Kit Harington, “Game of Thrones”

Rami Malek, “Mr. Robot”

Tobias Menzies, “The Crown”

Billy Porter, “Pose”

Melhor série de comédia ou musical

“Barry”

“Fleabag”

“O método Kominsky”

“The Marvelous Mrs. Maisel”

“The Politician”

Melhor atriz em série de comédia

Christina Applegate (“Dead to Me”)

Phoebe Waller-Bridge (“Fleabag”)

Natasha Lyonne (“Boneca russa”)

Kirsten Dunst (“On Becoming a God in Central Florida”)

Rachel Brosnahan (“The Marvelous Mrs. Maisel”)

Melhor ator em série de comédia

Ben Platt, “The Politician”

Paul Rudd, “Living With Yourself”

Rami Yousef, “Rami”

Bill Hader, “Barry”

Michael Douglas, “O método Kominsky”

Melhor minissérie ou telefilme

“Catch-22”

“Chernobyl”

“Fosse/Verdon”

“The Loudest Voice”

“Inacreditável”

Melhor atriz em minissérie ou telefilme

Kaitlyn Dever (“Inacreditável”)

Joey King (“The Act”)

Helen Mirren (“Catherine the Great”)

Merritt Wever (“Inacreditável”)

Michelle Williams (“Fosse/Verdon”)

Melhor ator em minissérie ou telefilme

Chris Abbott (“Catch 22”)

Sacha Baron Cohen (“The Spy”)

Russell Crowe (“The Loudest Voice”)

Jared Harris (“Chernobyl”)

Sam Rockwell (“Fosse/Verdon”)

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou telefilme

Meryl Streep, “Big Little Lies”

Helena Bonham Carter, “The Crown”

Emily Watson, “Chernobyl”

Patricia Arquette, “The Act”

Toni Collette, “Unbelievable”

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou telefilme

Alan Arkin, “O método Kominsky”

Kieran Culkin, “Succession”

Andrew Scott, “Fleabag”

Stellan Skarsgård, “Chernobyl”

Henry Winkler, “Barry”

06/01/2020

(Visited 1 times, 1 visits today)